sexta-feira, 27 de outubro de 2017

PF diz que mesmo preso, Henrique Alves comandava esquema de fraudes e ocultação de bens

Compartilhe
Em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira(26), a Polícia Federal afirmou que o ex-ministro do Turismo, Henrique Alves (PMDB), mesmo preso desde o dia 6 de junho, comandava um esquema de ocultação de bens e fraude de licitações, por meio de assessores e pessoas ligadas a ele. Os investigadores afirmaram que um grupo de pessoas ligadas ao ex-ministro continuava realizando fraudes em licitações de prefeituras do interior do Rio Grande do Norte. A PF informa que foram cumpridos mandados de busca em cinco municípios potiguares.

“Depois da deflagração da Operação Manus (em junho), nós percebemos que o ex-deputado federal passou a ter duas condutas. A primeira é que ele estava articulando com seus assessores diretos a ocultação de seus bens, ou seja, um crime de lavagem de dinheiro. Percebemos uma segunda conduta, com base também nesses assessores, que era articulação junto a prefeituras do Rio Grande do Norte, no direcionamento de licitações”, afirmou o delegado da PF, Oswaldo Scalezi Júnior, durante coletiva sobre a operação Lavat, deflagrada na manhã desta quinta-feira (26) no RN e em Brasília.

Segundo a Polícia Federal, os contratos envolviam recursos de convênios com o Governo Federal. Somadas, as obras custariam cerca de R$ 5,5 milhões, porém os investigadores ainda não identificaram qual seria o percentual da propina dividida entre os beneficiários e o próprio ministro.

Em outra frente, as investigações apontam que Henrique Alves estaria ocultado seus bens, por meio da transferência deles para pessoas próximas, ou mesmo em simulações de venda e compra. Para os investigadores, o ex-ministro queria esconder o patrimônio da Justiça.

Na operação, foram presos um funcionário do Ministério do Turismo e dois assessores de Henrique Alves. Ao todo, foram cumpridos 27 mandados, sendo três de prisão, dois de condução coercitiva e o restante de busca e apreensão.

G1-RN

Nenhum comentário:

Desenvolvido por Glaucione Farias