quarta-feira, 8 de maio de 2019

UFRN vai suspender os serviços do restaurante universitário por três meses

Compartilhe
A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) vai interromper as atividades do restaurante universitário a partir da segunda quinzena de junho. A medida decorre do processo licitatório para a reforma das instalações. Após o início das obras, a previsão é de que o serviço seja retomado em até três meses.

A interrupção não tem relação com os cortes do orçamento previstos para a UFRN este ano. O Ministério da Educação divulgou na última semana que estuda cortar R$ 34 milhões para a manutenção das atividades da instituição de ensino.

Segundo a assessoria de imprensa da reitoria da UFRN, o início das obras ainda depende da homologação da empresa vencedora. O valor para a reforma não foi divulgado. A unidade localizada no Campus Central atende 4,5 mil pessoas diariamente. As obras irão adequar a estrutura às normas legais de acessibilidade urbana.

Além do restaurante central, as obras de reforma também irão afetar o funcionamento do refeitório setorial localizado no Centro de Ciências da Saúde (CCS).

Ainda de acordo com a assessoria de imprensa, a UFRN continuará subsidiando a alimentação aos residentes e aos beneficiários do auxílio moradia do Campus Central. O valor destinado aos estudantes será de R$ 550 a cada mês que durar a interdição.

“A UFRN ratifica o compromisso de que todas as medidas serão tomadas no sentido de diminuir o impacto, junto à comunidade universitária, do fechamento temporário do RU”, detalhou a asseria. O anúncio do fechamento temporário do restaurante foi informado aos beneficiários no último dia 30 de abril.

Para os estudantes, servidores e a população que não tem os benefícios da assistência universitária, a instituição de ensino informa este público deve buscar restaurantes privados, cantinas e lanchonetes nos demais setores da universidade pública. O valor unitário da refeição, segundo a UFRN, é de R$ 7 por pessoa.

Agora RN

Nenhum comentário:

Desenvolvido por Glaucione Farias